Pensar o início do negócio

Outubro 23, 2020

Ouvir Podcast (04:03)

Olá e bom dia!

Ser proprietário de um negócio é um dos passos possíveis para criar um estilo de vida à nossa medida. Mas, começar um negócio pode ser desafiante.

Assim, reuni um conjunto de perguntas que me ajudaram a perceber se estava alinhada com o que desejo e com os meus valores bem como com o mundo onde vivemos.

Questões que ajudam a desbloquear

Onde é que há um mercado a surgir?
Que problema é que eu já tenho e que gostava de ver resolvido?
Existe um produto que eu posso construir com o qual sinto entusiasmo e no qual eu tenha algum conhecimento específico?
Qual a coisa que sei fazer melhor que ninguém, porque é algo que amo fazer?
Isto encaixa-se nas prioridades da minha vida e na tolerância a riscos?
Isto abre outras opções promissoras?
É aqui que tenho as maiores hipóteses de me destacar?
Isto permite que eu contribua para um problema urgente?

Quais os problemas mais urgentes do mundo?
Quais os principais desafios desses problemas e quais as estratégias que podem ajudar a resolvê-los?
Algum destes caminhos se adequada a mim? Se sim, quais?
Quais os próximos passos que me levariam a concretizar estas opções e que possam ser promissores?

Qual o plano B? (O plano B consiste em boas alternativas que são relativamente fáceis de alcançar para o caso da opção principal não funcionar.)
Qual o plano C? (O plano C é onde me vou apoiar se nada funcionar.)

O encaixe ideal

É muito importante encontrar um encaixe entre o Produto a desenvolver, o Mercado que o poderá adquirir e o Fundador, nós mesmos. Ou seja, compreender se temos o perfil adequado para o negócio que estamos a querer desenvolver. A combinação entre estes três elementos (Produto, Mercado, Fundador) e o impacto que terão na sustentabilidade do planeta deveriam ser o objetivo primordial.

Ser membro do meu mercado-alvo

Ser um membro do meu mercado-alvo é muito útil porque o meu conhecimento vem da minha própria experiência em vez de usar alguma especulação sobre o que os outros precisam ou estejam dispostos a adquirir. Assim estou a falar sobre algo a que pertenço ou pertenci e que compreendo.

Por exemplo: No meu caso, eu gostava de ter tido apoio quando iniciei o meu negócio. Mas um tipo de apoio mais holístico, abrangente e que cobrisse uma esfera de acção mais humana. Então é precisamente isso que me disponibilizei para fazer com o meu negócio. Um serviço como eu própria gostaria de ter recebido. Com o objetivo de que outros não passem pelos mesmos desafios que eu passei e que se sintam mais apoiados.

Questões para compreender a viabilidade da ideia

Isto é autêntico para mim?
Como vou tornar isto num produto que é útil para a sociedade?
Como vou assegurar que não prejudico o ambiente?
Existe a hipótese de escalar isto?
Se sim, irei escalar com mão de obra, com capital, com programação, com os media?

O objetivo é que o negócio seja bom para nós, para as pessoas que vão usufruir dele e para o ambiente (que não seja mais um negócio que o vai destruir em vez de preservar).

Espero que este artigo lhe possa ter sido útil.

Obrigada por estar aí e obrigada por me ler.

Até já 🙂
Joana

Joana Novo

Aqui partilho uma perspectiva honesta sobre o meu percurso enquanto empresária rumo ao estilo de vida que me faz feliz.